HOMEOPATIA E CARACTERÍSTICAS HOMEOPÁTICAS

HOMEOPATIA E CARACTERÍSTICAS HOMEOPÁTICAS
Rosmeire Paixão é Homeopata Clássica Terapeuta CONAHOM 1274 email: rosmeire.homeopatias@gmail.com

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Classificação de sintomas miasmáticos, por faixa etária. Congresso Internacional Napoli, Itália





Adaptado do trabalho do Dr. David Flores Toledo, México,  Congresso da Liga Homeopática Internacional, Nápoles - Itália.




sábado, 4 de fevereiro de 2017

HOMEOPATIA E TENDÊNCIAS EMOCIONAIS






Enfatizamos sempre que cada caso concreto deve ser examinado em função de suas particularidades, por um homeopata. A automedicação pode ser danosa, e agravar o problema. 


Muitas vezes, as tendências emocionais de uma pessoa podem gerar intenso sofrimento. A homeopatia é capaz de ajudar não somente em relação a sintomas físicos, mas também àqueles ligados às esferas mentais e emocionais. Consoante o prof. Nilo Cairo, “A alma é uma função do cérebro e assim como se curam as várias perturbações das outras funções do corpo, assim também podem ser curadas as perturbações para mais ou para menos dos nossos instintos, do nosso espírito e das nossas qualidades de caráter. “ Assim, a título de exemplo, reproduzimos a tabela abaixo, retirada do site dos homeopatas dos pés descalços, apenas como uma sugestão de relação, mostrando como alguns medicamentos homeopáticos podem ajudar nessas situações.

Temos, então, a título ilustrativo, a seguinte relação entre tendências emocionais e medicamentos homeopáticos:
*Acanhamento: Anacardium, Ambra e Gelsemium.
*Orgulhoso e arrogante: Platina,
*Vingativo e rancoroso: Chamomilla, Sépia, Nitri acid., Nux vomica e Cocculus. Aqui acrescentamos Conium a ser observado.
*Perverso: Belladonna e Cocculus.
*Espírito de crueldade, violência e desumanidade: Platina, Stramonium, Veratrum album, Belladonna, Cantharis, Nitri acid, Anacardium.
*Impertinência: Chamomilla.
*Rabugento: Antimonium crudum.
*Egoísta e Misantropo: Sulphor, Arsenicum Album, Lycopodium.
*Espírito de contradição: Antimonium crudum.
*Teimoso: Platina, Calcárea Carbônica, Lycopodium, Silicea, Nitricum ac.
*Pessimista: Nux vômica.
*Desejo de matar as pessoas que ama: Nux Vômica;
*Leviano: Fluoris acid,
*Tendência suicida ao ver faca ou sangue: Alumina,
*Remorso: Cyclamen,
*Indeciso e irresoluto: Baryta Carbônica, Ignátia, Pulsatilla, Graphites e Croccus,
*Desconfiado: Anacardium., Apis, Hyosciamus, Lachesis, Mercurius sol.
*Apático e indiferente: China, Sépia, Baptisia, Phosph. acid.
*Volúvel: Ignátia, Pulsatilla, Nux Moschata,
*Desanimado e triste - Stannum, Iodum, aurum met.
*Riso descontrolado – Nux moschata, Cannabis indica, Hyosciamus.
*Fala excessiva: Lachesis, Agaricus, Stramonium.
*Sem energia: Aletris.
*Preguiçoso e negligente: Apis, Gelsemium, Kalí Phosphoricum, PhosphoricumAcidum, Graphites e Calcárea carbônica. 
*Covarde: Agnus castus, Conium.
*Medroso: Aconitum, Scutellaria.
*Aversão a água e a falta de asseio: Ammonium carbo e Sulphur
*Desmazelado e porco: Capsicum, Sulphur, Tarântula hispânica
*Desespero: Natrum muriáticum.
*Gosta muito da rua: Bryonia.
*Carola e Beato: Stramonium.
*Tendência a se assustar facilmente: Phosphorus.
*Comportamento vadio: Agaricus, Zincum, Conium, Carbolicum ac., Picricum ac.

Impulso suicida
– Quando se fala nesse assunto, sempre me lembro de Aurum met., alias isso acaba acontecendo com muita gente. Aurum sempre se desponta como suicida na sua fase final.

Entretanto Arsenicum album também tem essa fama dentro da matéria médica, como o sentimento de perseguição acaba sendo o mais forte, ele se desdobra no fim, no suicídio. Mas, tem um outro, não muito badalado, Naja– insanidade suicida, pensamentos imaginários constantes. Eis uma medicação na qual se deve ficar atento.

Impulso homicida
– Platina, Hyosciamus e Arsenicum, estão no topo da lista.

Impulso incendiário:
Ammonium muriaticum e Stramonium, despontam nesse caso como os principais a serem observados.

Impulso de destruição:
Cantharis, Veratrum Album, Belladonna e Stramonium. Inclusive uma identidade bem marcante da Belladonna é a violência – sem violência, não existe Belladonna.

Impulso de se mutilar
(roer unhas, dedos, descascar feridas e outros),Arsenicum aparece mais uma vez, entretanto, Agaricus deve ser bem observado nesses casos.

Impulso ao roubo
: Artemísia vul e Nux vômica, fazem parte desse universo de competitividade.

Fonte das tabelas: Homeopatas dos pés descalços.


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

MATÉRIA MÉDICA DE GRAFITES E SUA PERSONALIDADE HOMEOPÁTICA

O COITADINHO DE MIM


Grafite possui uma matéria médica vasta, entretanto lhe é renegado um lugar pequeno.

Sensação de frio no corpo. Timidez. Pessoas hesitantes. Erupções que vertem líquido aquoso e transparente, em qualquer parte do corpo.



Apatia e lentidão são dois traços que formam de Graphites um tímido em pessoa. Existe um entorpecimento e uma pressão gigantesca sobre sua cabeça, sobre suas ações e pensamentos.
Ele tem certeza de que os outros, a vida, por fim o mundo não lhe deu a chance que ele merecia. A mea culpa não entra aqui.

Graphites é Triste, abatido e desanimado com ele mesmo e com a vida, ficando isso claro logo pela manhã, quando acorda. Quando chega a noite e durante a madrugada seus pensamentos se deslocam para a morte, só pensa em morte, têm sentimentos e premonições de morte e medo de morrer ou que algo aconteça a ele. Muitas vezes tem certeza de que morrerá a qualquer minuto, vítima de algo ruim, como sempre, o papel de vítima lhe cai como uma luva. É infeliz, miserável. Necessita estar de luto, por tudo e com tudo. 

Graphites chora ouvindo música, ninharia o faz chorar, qualquer coisa o faz chorar. Penaliza-se pela menor circunstância, que por vezes o leva ao desespero. E é claro, entra em luto. Aurum chora por música também.


Não se define; se ofende facilmente, não consegue decidir sobre as coisas, complexas ou simples, se irrita sem motivo e ninguém pode predizer como está o seu humor, entretanto, sempre é capaz de afirmar que esteve perto de conseguir o sucesso ... é o quase:
Quase consegui,
Quase dei conta,
Quase aconteceu,
E o quase não passe de quase mesmo.
Ansiosa é a agitação durante a noite, levando-se para fora da cama. A Ansiedade: na parte da manhã é para despertar, para o futuro, ansiedade pré-menstrual, por antecipação, mas sempre com a culpa. A ansiedade sobre a sua salvação, sua vida espiritual, seus afetos religiosos. Mas pode haver luxúria. A ansiedade é tanta que o desespero é seguido por febre e sudorese.
Existe uma ansiedade pelo futuro, pela salvação. Ansiedade com coisas insignificantes que parecem muito importantes.
Nesses casos ocorrem à ausência de pensamentos, as impressões não penetram. É difícil conseguir informação.
A sua ansiedade se exprime em sonhos vívidos, com acidente, ansiedade horrível, ou fogo, pensamentos mórbidos ou com mortes.

Altamente suspeito, excessivamente cauteloso e muito indeciso, não sabe o que fazer ou que decisão tomar, é incapaz de decidir. Acaba por se impressionar com tudo e por tudo. Tem dificuldade de concentração, esforço mental causa agitação (Kali-p).

Mas, Graphytes é friorento, tímido, ansioso, e na maioria dos casos está relacionado com as mulheres. Na sua grande maioria as estruturas frias o são. Um exemplo disso são as perturbações com choro e falta de coordenação motora que antecedem e acompanham o período menstrual.




Fisicamente chamamos atenção para alguns pontos:
- Lado esquerdo.
- Obesidade. Rápida emaciação nas doenças de estômago.
- Torpor ou sentimento de vazio (Cocc, Plat).
- Fraqueza súbita. Cataléptica.
- Secreção grossa, viscosa, ofensiva.
- Aversão: sal, doces, peixes, carnes, comida quente (isso dá uma sensação horrível em relação ao aumento e a manutenção de peso)
- Alopécia. Queda de cabelo nas têmporas.
- Fotofobia (Nat-s).
- Erupções nas pálpebras. Fissuras nos cantos dos olhos, na realidade são pequenas rachaduras.
- Erupções ou fissuras atrás da orelha.
- Dor de cabeça do lado esquerdo, pela luz solar ou enquanto come.
- Espasmos musculares e de tendões (tensão a partir de contração dos tendões) - em várias partes do corpo. É o chamado tremor interno. Tremor e agitação, espasmos ou batidas fortes. Grande exaustão, com queda rápida ou súbita das forças.
- Rigidez articular, completamente inflexível. Catalepsia ", está consciente, mas sem possibilidade de se mover ou falar" (Allen).
- Psoriasis. (em estados agudos de ansiedade).
- Sensação de teia de aranha no rosto (Alum).
- Mau hálito, como o cheiro de urina, essa observação é notória.
- Inclinação constante para engolir. Parece que engole algo o tempo inteiro, principalmente nos estados de maior ansiedade.
- Asfixia, acorda do sono.
- Dor na face ao chorar.



Nas mulheres:
- O paciente típico de Graphites é obeso, apático, frio e tem prisão de ventre. É especialmente indicado em mulheres, propensas à obesidade, que geralmente são pálidas, com prisão de ventre e frio, com a falta de calor vital e com uma história de ciclos menstruais, que começou atrasado.
-"Prisão de ventre habitual com menstruação escassa" (Clarke) ou excluído. Pode haver outras vezes, perda de peso grande.
- Grande desejo ou falta de interesse e prazer. Ninfomania.
- Úlceras. Câncer. Desarranjos estomacais com rápida emaciação. Dor maior comendo, leite (quente) é um exemplo disso. (Chel).
- Erupções, principalmente na região inguinal.
- Rouquidão durante a menstruação.
- Menarca tardia. Menstruação escassa, atrasada, não aparecendo.
- Impotência. Desejo ingovernável com resultados insatisfatórios (Con, Gels, Lyc).
- Aumento e endurecimento dos ovários. Fibrose uterina, câncer.
- Erupções, herpes; espalhando pelas coxas. Fissuras.
- Erupções. Fissuras. Leucorreia profusa.
- a facilidade para a formação de queloides (Fl-ac, Sil).
- a pele apresenta uma visão doentia, com facilidade para erupções, acnes, psoríase, crostas e etc...
- Tumores císticos, cistos em geral cistos sebáceos
- Erupções na axila, embaixo dos seios.




No homem as “Ereções falhando durante o coito (Lyc)”. 
- Ejaculação precoce.
- Erupções, principalmente na região inguinal.
- Impotência. Desejo ingovernável com resultados insatisfatórios (Con, Gels, Lyc).
- cistos sebáceos.

Uma palavra sobre Graphites na descrição do Dr. Bernardo Vijnovsky

Vagina dolorida e quente. Inchaço doloroso dos ovários cada vez que fizer frio ou tiver molhado os pés. Os pés inchados vão endurecer os ovários após a menstruação. Tumores de ovário. Rasgando no ovário direito, ou a sensação de estarem explodindo, antes e durante a menstruação. Início da menstruação ou de iniciação tardia nas meninas, pouco, pequeno, pálido ou misturado com coagulitos (pequenos coágulos preto), como alcatrão escuro ou tinta preta, aguado, grosso, tardio e errático em sua aparência, reprimidos, com peso nos membros inferiores e aquecimento da cabeça. Amenorréia. dismenorréias; dores agudas no aparecimento da menstruação. Tosse com exaustão antes e durante a menstruação.

Durante a menstruação: sangramento anal dor nos membros, o agravamento de uma úlcera, bochechas inchadas ou pés, frio, com rouquidão, dispnéia, corrimento nasal, dor de dente, atrito entre as coxas, ou cãibras e fortes dores no estômago, dor de cabeça, náusea, dor no peito e fraqueza.

Frio Vagina. Vulvas de prurido pré-menstrual. Edema genital. Fluxo acre, viscoso, copioso, que surge a partir de dia e de noite, antes e após a menstruação, a pé e sentado, branco ou branco amarelado; aquosa de volta com grande fraqueza, para trás e geral. Câncer uterino. Na menopausa, azia e catarro gástrico. "Scars rígido (por vezes doloroso) 

Calafrios após 16 horas. Calor ou febre enquanto viajava em um veículo. Suores ácidos, o que mancha a roupa fétida amarela, pelo menor movimento ou esforço, ainda falando. Incapacidade de suor. Suores noturnos.
"Vijnovsky homeopathic Materia Medica"

NÃO SE ESQUEÇA QUE A LENTIDÃO, INDECISÃO, A TIMIDEZ E O SENTIMENTO DE SER UM POBRE COITADO QUE NUNCA FOI AJUDADO FORMAM GRAPHITES, MAS ESTÃO INCLUÍDOS EM OUTRAS MATÉRIAS MÉDICAS.

Complementar de Grafites: Hepar Sulfur, Enxofre, Causticum, Lycopodium, Arsenicum Alb., Argentum nítrico, Tuberculinum.

Vale a pena pesquisar para diferenciar: Antimonium -c, Aur. Met., Bar-c, Calc-m Ferr, Olnd, Petr, Psorinum, Pulsatilla, Sulphor.



Fonte: Homeopatas dos Pés Descalços

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Nostalgia, Depressão, Tristeza e Solidão acontecem em todas as idades.




Quem não teve vai ter e quem já teve sabe bem do que se trata. Esses são os quatro estados de maior índice em acometimentos no ser humano. Junto com eles desenvolvemos várias doenças, tantas que de frescura, como eram catalogadas até bem pouco tempo atrás, ganharam estudos e pesquisas na medicina convencional. Na homeopatia o termo frescura não existe, sempre foram tratadas como parte integral da doença e do doente.

Toda a base e a filosofia da Homeopatia estão voltadas para o que sentimos, o que somos, onde vivemos e como vivemos, é o chamado sentimento aflorado. Em uma determinada época da vida isso se torna como um poderoso e penoso fardo, muitas vezes insuportável de se carregar. Para cada medicação possuímos a observação clara de sentimentos, fobias, desejos, sonhos, pensamentos repetitivos e reações corpóreas. Assim procuramos a causa e não a conseqüência, o que somos e não o que nos tornamos, da onde viemos e não para onde vamos, a nossa essência e não a nossa superficialidade.


O relato feito por Hahnemann, Kent, Egito e Max Tétau, nos dá condição de analisarmos da seguinte forma uma breve exploração de identificação dos miasmas:


A Psora relata o medo ansioso, a angústia existencial, a tristeza, as funções mentais bloqueadas, a hipersensibilidade, o sofrimento, a bulemia, e possui dois grandes nomes: o Sulphur e o Psorinum.
A Sicose possui um medo irracional, possui uma ansiedade que lhe provoca distúrbios agressivos e de personalidade, e se torna compulsivo. Possui dois fortes indicadores de tratamento, a Thuya Occidentalis e o Medorrhinum.
O Sifilinismo traz a melancolia, a intolerância, o suicídio, a depressão maníaca e nele encontramos o Mercurius Solubillis e o Luesinum.
O Tuberculinismo possui a sua tendência maior na depressão e na esquizofrenia. Muda de humor como muda de roupa. Observa-se o Phosphorus e o Tuberculinum.
O Cancerinismo é a perda do controle mental, nele existem a angústia a depressão e a ansiedade. Observa-se o Conium Maculatum e o Carsinosinum.
De acordo com as referências do Dr. J-P Elbaz, Kent, Bar, Vijnovisky e outros, as medicações são aplicadas em suas fases agudas e crônicas, em estruturas de sintomas mentais e físicos. Na idade mais avançada, ficam muitos sentimentos e recordações, e estas lacunas são a porta de entrada para a maioria das doenças nessa fase da vida. Na terceira e na quarta idade, as referências tocam bastante no que diz respeito à Arnica Montana, Ignácia Amara, Hypericun Perforatum, Kali Bromatum, Lachese, Sépia e tantos outros. Sentimentos como nostalgia, depressão, tristeza e solidão não são sentimentos exclusivos da idade mais avançada, pode e alcança homens e mulheres em todas as faixas etárias. O que vemos e observamos é que é na terceira e na quarta idade que estes sentimentos ficam mais latentes e acabam por ser confundidos com estruturas normais da idade, levando ao descaso e ao adoecimento para depois chegar na doença propriamente dita. São considerados Distúrbios Neuropsíquicos: (1) a depressão, (2) a ansiedade e (3) a angústia[1]:
1- DEPRESSÃO:
A depressão ocupa hoje, um padrão alto de análise e complexibilidade. Chama-se depressão todo estado patológico de sofrimento caracterizado pela diminuição do sentimento de valor pessoal, pelo pessimismo e uma inapetência em relação à vida. Segundo Elbaz (1996) a depressão deve ser observada sobre as seguintes medicações:


A Pulsatilla é possuidora de uma dependência afetiva muito grande (ELBAZ, 1996), e poderá chegar ao suicídio e a loucura se for trocada pelos que ama. Seu movimento é sempre feito em família e nunca teve obrigações que a levassem a decidir nada – ao ser consolada sua melhora é rápida, o que a faz ser diferente de outra medicação bastante resoluta, o Natrum Muriaticum. O Aurum Met. já num estado psórico prepara a sua morte – suicídio, após uma autocrítica severa, isolamento e o desgosto consigo mesmo. Raramente ele falha em sua finalidade. A Sépia de linhagem tuberculinica, vem acompanhada na idade avançada pela insuficiência hepática e na maioria das vezes pelo prolapso uterino[2]. O choro está ligado à tristeza e a irritabilidade, e ela briga pela sua solidão constante. Usa-se nos estados depressivos mais graves e que estão ligados a anorexia. A sépia sabe que no estado mais avançado de sua vida não pode agir só.
Outro medicamento muito usado por Elbaz é o Tuberculinum, que apresenta uma sensibilidade incrível e visível pela música, mas sofre por não estar bem em nenhum lugar (KENT/HAHNEMANN). Torna-se extremamente melancólico e geme por todos os motivo. Podemos também citar como referência a grande influência da hereditariedade.


Elbaz defende ainda dois tipos de depressão:
a) Depressão Reacional;
b) Depressão de Involução.


a) Depressão Reacional, está diretamente ligada a uma agressão ou a um traumatismo, do tipo abandono ou luto. Desta forma existem três eventualidades mais comuns:
a.1) A sobrecarga traz consigo uma fraqueza absurda que leva ao estado de depressão (apatia) – Phosphoricuc Acidum – não é capaz de juntar as idéias por causa da sobrecarga. Cocculus  deve ser utilizado quando a tristeza vem com irritabilidade continua/costuma ser acompanhada de vômitos e náuseas ao andar de carro;
a.2) A mágoa antes da depressão traz dois medicamentos ricamente descritos – Ignátia e Natrum Muriaticum, ambos em. A Ignátia traz a análise, segundo Elbaz, voltada para o sentimento pessimista e penas, o rir sucede ao choro, a agitação se transforma rapidamente em sofrimento. O paradoxo define melhor este estado. Estudos ainda trazem a essência do ambiente em energia perversa. O Natrum Muriaticum terá uma agravação a ser consolado e terá cefaléias periódicas ou crônicas (Nijnovisky/Elbaz); e
a.3) Elbaz ainda descreve a Depressão Pós-Menopausa, não em sua totalidade para o sexo feminino, porém acomete muitas mulheres e um tratamento adiado, uma postura não observada, pode ser o fator que faltava para o adoecimento. A Sépia possui um estado mental negro e totalmente indiferente para com os seus e o Lachesis segundo Hering, possui uma grande irritabilidade e fadiga intensa pela manhã. O ódio, a vingança e mesmo a crueldade estão muito presentes. Não justificam o ciúme, possuem o sono leve e sonham com enterros, mortos e fantasmas freqüentemente. Engana-se sobre as horas e os dias. Observar as diferenças com o Stramonium e o Medorrhinum, pois também possui muito forte a intelectualidade noturna.
b) Depressão de Involução, acomete aos que já passaram dos 60 anos é nervosa e traz consigo a ansiedade, a agitação e a hipocondria. Os medicamentos como Phosphorus, Phosphoric Acidum, Kali Phosphoricum e Bromatum, Baryta Carbônica e Arsenicum Álbum – segundo Elbaz (1996), são os mais utilizados. Nas descrições de Hahnemann e Elbaz se observa à anemia e a pele escamosa, edemas localizados, maníacos pela arrumação, avarento, egoísta e com tendência a nevralgia facial, verificar que o quadro está torto na parede.


2. ANSIEDADE:


No que diz respeito às Doenças Agudas e no seu estado aflorado, em plena crise e no auge da crise, Bernardo Nijnovisky[3] aponta a ansiedade como sintoma mental e usa uma série de 10 medicações para base de pesquisa no tratamento. Nijnovisky aponta:
a) Sulphur para os sentimentos de culpa e religiosidade excessiva ligadas a pressão sobre o peito para que seja perdoado dos seus pecados e sempre com um horário que chega a noite, antes da meia noite – horário em que deve estar deitado;
b) Pulsatilla (KENT/HAHNEMANN/NIJNOVISKY) chega definindo o medo do futuro e de suas doenças, provocando uma ansiedade com calafrios e febres ao entardecer. Não suporta se cobrir;
c) Nitric Acidum possui ansiedade por vigílias noturnas com medo da morte e excessivo esforço mental;
d) Argentum Nitricum;
e) Nux Vômica;
f) Phosphorus;
g) Aconitum Napellus e outros em suas referências no livro “Doenças Agudas”. A ansiedade é tratada por Banclichkeit, como um sintoma de psora de adoecimento mental acompanhado ou não de dor e que pode ser observado durante o dia e a noite. (Doenças Crônicas segundo Hahnemann). Segundo Elbaz (1996), a ansiedade é a viva inquietação oriunda da incerteza de uma situação, da apreensão de um acontecimento. Ele ainda qualifica três medicações muito importantes para essa análise:
h) Luesinum que ele chama de nosódio da vida moderna, devido a sua precipitação, seu estresse com tudo, sua febrilidade. Elbaz o qualifica como sifilítico – adquirido ou hereditário – lava as mãos com freqüência, possui um temor desmedido da ruína e perda de memória para as coisas muito conhecidas, o que agrava a sua ansiedade;
i) Lycopodium – medicamento psoroluético – perde o controle com crises entéricas, autoritário, cóleras explosivas, tem horror as pessoas e sempre fala com autoritarismo – chega a idade avançada preocupado com o envelhecimento físico e psíquico – prematuramente já é um velho. O Lycopodium apresenta artrite reumatóide, cistite catarral, desordem urinária e dos rins, digestivo, doença de pele e irritação, estimular o útero, febre, gastrite, trauma. O trauma do Lycopodium vem desde a infância. Bar acredita que esse desfecho se dá na adolescência, quando a personalidade esta prestes a se firmar, a sede de poder a qualquer preço. Uma sensível pesquisa feita com o paciente, revela a preferência do Lycopodium por sapatos e seu fascínio por lobos; e
j) Coffea – esta pessoa sofre todas as influências e as reações maléficas do café. Constrói planos e projetos a noite, sem conseguir se desligar. É hipersensível em todos os sentidos. Moreno o qualifica como medicação com hereditariedade ou contado excessivo (ex: trabalhadores de cafezais) e pontua a alternância de choro e risadas – crise de ansiedade com agitação.


3. ANGÚSTIA:


A angústia é a inquietação profunda, medo intenso originário de um sentimento de ameaça iminente e acompanhada de sintomas neurovegetativos, como espasmos, tremores, dispnéias... Elbaz qualifica 10 medicamentos de pesquisa:
a) Ignácia – O rei dos tranqüilizantes. Kent e Brun a mencionam nas histerias e os homeopatas franceses a observam nas perdas de amor recente. Na maioria das vezes a mulher se predispõe a Ignácia (Elbaz/Brun/Kent).
b) Gelsemium – O medicamento do medo por excelência – angústia superaguda, paralisação das reações motoras e intelectuais, distúrbios neurovegetativos. Pode se apresentar após um susto, uma súbita emoção ou mesmo uma má notícia (Elbaz/Lathyrus/Brun). Por intoxicação com a planta. Segundo alguns autores – Gelsemium é para o pânico da prova – normalmente apresenta diarréia de nervoso.
c) Argentum Nitricum – linhagem luética – Angústia por impaciência, ansiedade de antecipação – obs. Vertigem por tudo, medo de multidão, fóbico.
d) Ambra Grisea – Extremamente angustiada por qualquer coisa, chora muito, sua mágoa original vai para a depressão. Obs: lentidão respiratória e cardíaca.
e) Actaea Racemosa – caracterizada pelo medo de tudo. Sua angústia a torna incoerente e confusa – no final há possibilidade de uma depressão melancólica.
f) Lilium Tigrinum – medicamento histérico, com angústia depressiva mental, lamenta e chora muito. Obs: Natrum Muriaticum, Helonias, Actea Racemosa – excitação sexual forte e agitação febril.
g) Aconitum – angústia brutal, medo superagudo e aspecto de Sulphur, prediz a hora de sua morte, fóbicos de cair, morrer e etc...Insônia com pavor, agitação e angústia.
h) Arsenicum Álbum – é o medicamento da ansiedade angustiada, da agitação e do medo da morte. Parece idoso e envelhecendo antes do tempo, fatalismo diante do abismo, extrema fraqueza, resignação pela morte. Obs: Aconitum.
i) Glonoinum – Sempre após uma violenta emoção. É um verdadeiro estado de choque. Apreensão mortal, medo forte da morte, amnésia de lugares e entes queridos. Medicação de crise.
j) Opium – semelhante a Gelsemium – o diferencial é que o seu medo permanece nos olhos. Somatiza afonia, fezes involuntárias, paralisação intestinal e retenção de urina.
O Dr. Jean-Pierre Elbaz em seu livro “Tratado de Geriatria Homeopática”, defende as fobias dentro da análise da angústia. São definidas em três: (a) neurose de angústia, (b) neurose ansiosa com tendência fóbica, e (c) fobia sistemática.


Dentro dessas fobias, a investigação do homeopata deve ser direcionada a retirar o condicionamento da angústia e para tanto, Elbaz coloca como medicamento principal o Argentum nitricum e o Luesinum como seu complementar no caso do comportamento neurótico. 
O quadro abaixo indica as principais fobias e seus medicamentos de estudo para a terceira idade, a quarta idade ou seja, para todas as idades.
AS PRINCIPAIS CIRCUNSTÂNCIAS FÓBICAS
01
O medo da morte
Aconitum, arsenicum álbum, nitric acidum, alumina, natrum sulfuricum.
02
O medo das doenças
Contagiosa (calcária carb, luesinum), Câncer (thuya, hydrastis, veratrum álbum), Do mal de viver (actea racemosa, ignátia, calcarea carbônica).
03
O medo da sujeira, dos micróbios.
Lava as mãos o tempo todo – Luesinum.
04
O medo de ser incurável
Arsenicum álbum, aconitum, nitric acidum, petroleum.
05
O medo da loucura (luético).
Lilium tigrinum, Lachesis, muitos medos de tudo (calcarea carbônica), Argentum nitricum, Actaea racemosa.
06
Claustrofobia
Actaea racemosa, argentum nitricum, Arsenicum álbum (medo do caixão), Lachesis (do abafamento).
07
O temor de uma infelicidade eminente.
Causticum, Psorinum, Phosphorus.
08
Medo do futuro
Thuya (ansiedade ruminada), Baryta Carbônica (fadiga mental), Psorinum (fadiga física e mental).
09
O medo da solidão
Arsenicum nitricum, arsenicum álbum, Hyosciamus e Stramonium, Causticum, Conium, Kali carbonicum.
10
O medo do escuro
Causticum, Stramonium, Phosphorus.
11
O medo de fazer qualquer coisa.
Lycopodium, Silicea, Sépia.
12
O medo do contato.
Arnica, China, Cina, Antimonium Crudum.
13
O medo da multidão
Argentum nitricum, Aconitum, Ignátia.
14
O medo das novas pessoas.
Baryta carbônica (um esclerótico), Ambra grisea (um depressivo chorão).
15
O medo de estar arruinado.
Calcarea Fluórica, Luesinum, Psorinum.
16
O medo dos ladrões
Natrum muriaticum
17
O medo dos objetos pontiagudos
Silicea (de vacinas, agulhas e injeções), Alumina (facas), Spigelia.
18
O medo do vendo
Thuya (diferenciar da agravação pelo vento: Chamomilla).
19
O medo dos animais
Tuberculinum residuum, China – Hyosciamus, Stramonium (luese).
20
As fobias e obsessões sexuais
Stapysagria, Phosphorus, Plaitna, Origanum, Tarêntula Hispânica, Stramonium.


[1] Dr. J.P. Elbaz, Tratado de Geriatria Homeopática. São Paulo: Organização Andrei, 1996
[2] VIJNOVISKY, Bernardo: Doenças Agudas. Apostila
[3] VIJNOVISKY, Bernardo: Doenças Agudas. Apostila
Homeopatas dos Pés Descalços
Obs: Cada pessoa deve ser avaliada pelo Homeopata que escolherá qual melhor medicamento e qual melhor dinamização (potência) a ser prescrita.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Enfrente a menopausa sem medo de ser feliz




A medicina holística é sem dúvida alguma o caminho mais acertado, entretanto nós, seres humanos ainda não estamos sintonizados verdadeiramente. 



Entramos na meia idade. Existem depoimentos de tudo quanto é jeito, de quem sofreu horrores, de quem conseguiu passar numa boa, de mulheres que vieram a descobrir desagradáveis companhias através da reposição hormonal e de tantas outras que se beneficiaram com um tratamento sério e bem dirigido. Não deixe essa responsabilidade do erro e do acerto para a (o) sua (seu) ginecologista (o). Assuma a sua parte, leia, pesquise e se informe. Preste atenção nos seus sintomas, relate de forma correta e escute, veja seu corpo de perto. Ninguém melhor do que você para precisar o que mudou e como está. Muitos ainda vêem a menopausa e/ou o período menstrual da mulher como um tempo negro, cheio de achaques e firulas, frescuras e perda da identidade feminina. Existem muitos sintomas desagradáveis sim, entretanto é uma nova fase da vida e se você não quiser apenas ficar mudando de reclamação, aprenda a ver o lado bom das coisas e de como você pode mudar o rumo da sua vida.

“É o período da vida reprodutiva feminina quando não há mais menstruação. Comumente ocorre entre os 45 e 55 anos, embora possa aparecer antes ou depois. Salvo em casos de doença, costuma ser rara antes dos 40 anos. Com base nos relatos médicos antigos, a menopausa antes ocorria em idades mais avançadas, sendo que muitos autores consideravam anormal a suspensão definitiva das regras antes dos 65 anos. No passado as mulheres continuavam férteis e eram capazes de gerar filhos normais até idades avançadas. Hoje, com a alimentação desequilibrada, com a poluição ambiental, os remédios alopáticos, os hormônios, os anticoncepcionais, a tensão, o estresse, o organismo feminino também se degenera precocemente e a função reprodutora, bem como os distúrbios do climatério ocorrem mais cedo. Na verdade, no envelhecimento natural normal não existem propriamente sintomas característicos da menopausa (ondas de calor, sudorese, irritabilidade, ressecamento acentuado da mucosa vaginal, pele precocemente desidratada, etc.), que só aparecem em função da vida e dos hábitos anti-naturais da mulher moderna. A medicina holística entende que muitos processos de envelhecimento precoce de funções orgânicas são realmente irreversíveis, mas a adoção de uma dieta mais natural e dos demais tratamentos, combinados com hábitos gerais mais saudáveis, melhoram muito o quadro clínico do climatério, reduzindo e às vezes, fazendo desaparecer os sintomas, sem oferecer riscos.”
Dr. Marcio Bontempo (Médico, Naturopata)

Na Homeopatia, apesar de Lachesis ser o remédio mundialmente indicado no caso da menopausa, vale observar a sua personalidade homeopática. Algumas indicações como: Cholesterinum, Ásia Foética, Abies Nigra, Nux Vômica (labirintite), Cantharis, Séphia, Veratrum Vir., Sanguinária e Anil Nitroso ( calor e tontura), Progesterona Natural (Nosódio), Actaea Rac., Matracaria Chamonila, Pulsatilla, Ignátia, Natrum Muriático (ansiolítico). Dentre outros e várias possibilidades de ajuda. Consulte sempre um bom Homeopata.

O Chá na menopausa.


AMORA (Morus Nigra) – Alivia os sintomas da menopausa. Principalmente os circulatórios.

ALECRIM (Rosmarinus Officinalis) – Tonifica o útero e aumenta a fecundidade. Alivia a depressão a tristeza. Muito útil nos casos taquicardia.

BELDROEGA (Portulaca oleracea) – Ajuda a equilibrar todas as glândulas.

CAMOMILA (Matricaria chamomilla) – Normaliza a periodicidade da menstruação. Alivia dores e cólicas menstruais, acalma a tensão causada pela menopausa, ajuda na insônia e na menstruação excessiva. Pode ser usada como forma de compressa quente.


FRAMBOEZA (Rubus idaeus) – Tonifica os músculos uterinos, indicada para ausência de menstruação ou nos primeiros messes logo após o seu desaparecimento. O chá frio faz muito bem.

FÁFIA (Pfáfia paniculata) – Possui silosterol e estigmasterol, hormônios vegetais que favorecem a produção do estrogênio (hormônio feminino), acaba por ativar a memória, combate o estresse, estimula a oxigenação celular e a circulação. 

MARACUJÁ (Passiflora alata) – Ajuda nas perturbações nervosas causadas pela menopausa, na irritabilidade, insônia, ansiedade, histeria, dores e ajuda a normalizar a pressão arterial quando há muita retenção de líquido nesse período.

MENTRASTO (Ageratum conyzoide) – Alivia os sintomas causados pela menopausa e cólicas menstruais. Talvez uns dos mais antigos.

MILFOLHAS (Achillea Millefolium) – Alivia os sintomas causados pela menopausa, controla cólicas e dores menstruais, lombares e de cabeça.

SALVIA (Salvia Officinalis) – Tem substâncias estrogênicas. Indicada para os distúrbios entre o climatério da menopausa e a sua passagem da menstruação. Cólicas menstruais e pouco fluxo menstrual.

VALERIANA (Valeria Officinalis) – Para os distúrbios da menopausa como a angústia, as ondas de calor, tristeza, palpitações, nervosismo, enxaqueca, insônia.